Toxicologia - O que é que eu tenho no meu prato?
15/07/2014 - O que é que eu tenho no meu prato?

            Além de nutrientes essenciais para a saúde, os alimentos podem conter várias substâncias químicas potencialmente tóxicas para o homem. As micotoxinas são produzidas por fungos que contaminam os alimentos, principalmente os cereais. Os metais, como chumbo e mercúrio, estão presentes naturalmente no solo e água, e consequentemente nos alimentos. O aditivos são utilizados pela indústria para conferir ou reforçar alguma característica ao alimento, como cor e sabor, ou garantir a sua integridade. Os pesticidas são utilizados no campo para controle de pragas, como insetos e fungos, e seus resíduos podem permanecer nos alimentos. Algumas substâncias são produzidas quando preparamos o alimento para consumir, como a acrilamida, cancerígena para o homem e presente principalmente na batata frita.

É possível consumir alimentos livres de todas estas substâncias? A resposta é não, mas medidas são necessárias para diminuir a exposição da população e minimizar os riscos à saúde. Cabe aos governos estabelecer normas e exigir seu cumprimento pelos produtores de alimentos e assim garantir que a quantidade destas substâncias nos alimentos seja a menor possível ou necessária. Por exemplo, a contaminação de cereais por aflatoxinas, uma micotoxina cancerígena, pode ser minimizada se o produtor controlar a infecção por fungos no campo, e garantir condições adequadas de transporte e armazenamento do grão.  O agricultor deve utilizar os pesticidas de acordo com as recomendações do rótulo do produto e buscar alternativas de manejo de pragas que diminuam seu uso.

Diminuir a exposição a metais é mais complexo, pois seus níveis no ambiente, na maioria das vezes, independem da ação do homem. Por exemplo, os peixes da região amazônica têm naturalmente níveis elevados de mercúrio, que é particularmente tóxico ao feto. Mulheres grávidas devem então evitar o consumo de peixes carnívoros, que têm quantidades mais elevadas desse metal. 

            Como podemos minimizar os riscos que vêm da nossa mesa? Tendo uma dieta variada, rica em frutas e vegetais, que inclua o peixe como fonte proteica, e os cereais como fonte de energia e fibras. Uma dieta balanceada nos protege de várias doenças crônicas e de potenciais danos que as substâncias tóxicas presentes nos alimentos podem causar.  Quanto à acrilamida, podemos sempre deixar de comer batata frita ou pelo menos diminuir seu consumo!

 

Literatura recomendada

Berzas Nevado J.J., Rodrýguez Martýn-Doimeadios R.C., Guzman Bernardo F.J., Jimenez Moreno M., Herculano A.M., and do Nascimento J.L., et al. Mercury in the Tapajos River basin, Brazilian Amazon: a review.Environ Int. 2010: 36(6): 593–608

Caldas, ED, Jardim, ANO. Exposure to toxic chemicals in the diet: Is the Brazilian population at risk?. Journal of Exposure Science and Environmental Epidemiology. , v.22, p.1 - 15, 2012.

Marroquín-Cardona AG, Johnson NM, Phillips TD, Hayes AW. Mycotoxins in a changing global environment - A review. Food Chem Toxicol. 2014, 69C:220-230.

Ouhtit A, Al-Sharbati M, Gupta I, Al-Farsi Y. Potato chips and childhood: What does the science say? A hidden silent killer? Nutrition. 2014 Feb 15. pii: S0899-9007(14)00074-4.

   

Comentários

Nome:
Cidade:
Estado:
Texto:
Cód. Validação: 11869


Universidade de Brasília - Faculdade de Ciências da Saúde - Curso de Ciências Farmacêuticas
Campus Universitário Darcy Ribeiro , Asa Norte - Brasília - DF - 70910-900. Tel/Fax: (61) 3107.1871
E-mail: labtox@unb.br