Toxicologias - Resíduos de pesticidas em alimentos: existe risco?
13/05/2014 - Resíduos de pesticidas em alimentos: existe risco?

Andreia Nunes Oliveira Jardim, PhD

A presença de resíduos de pesticidas (agrotóxicos) nos alimentos é resultado da aplicação desses produtos durante a produção no campo e/ou armazenamento pós colheita. O Brasil é um dos países que mais utilizam pesticidas no mundo (ANDEF, 2009), com 425 princípios ativos permitidos para uso agrícola (ANVISA, 2014). Entretanto, o uso indevido de pesticidas pode acarretar na presença de resíduos nos alimentos acima dos limites permitidos (LMR), representando uma violação legal, podendo também oferecer risco à saúde da população.

Os efeitos tóxicos causados pela exposição aos pesticidas variam conforme sua classificação química e se a exposição for crônica (por longo período) ou aguda (até 24 hs). Entre os efeitos adversos estão a neurotoxicidade (Soderlund et al., 2002; Ecobichon, 2001), hepatotoxicidade, efeitos no desenvolvimento (EFSA, 2009) e  câncer (Belpoggi et al, 2002). Os inseticidas neurotóxicos organofosforados e carbamatos estão entre os pesticidas mais tóxicos, e a intoxicação aguda  por esses compostos, principalmente em trabalhadores rurais, causa  broncoconstrição, taquicardia, hipertensão arterial, tremores e convulsões, podendo levar ao coma e ao óbito (Ecobichon, 2001).

No Brasil existem dois programas de monitoramento de resíduos em alimentos: o Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos (PARA) coordenado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) e o Plano Nacional de Controle de Resíduos e Contaminantes (PNCRC), do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Dados desses programas mostram que 48,3% das 13556 amostras analisadas entre 2001 e 2010 apresentaram resíduos de pesticidas, das quais 5,8 % continham resíduos acima do LMR e 30,8% continham resíduos de organofosforados (Jardim e Caldas, 2012). Maçã, mamão, uva, morango e pimentão foram os alimentos que mais apresentaram resíduos.

Para se avaliar o risco para a saúde da ingestão de pesticida na dieta de uma população deve-se considerar a concentração do resíduo presente no alimento, a quantidade do alimento consumido e o potencial tóxico do pesticida. Estudos conduzidos pelo Laboratório de Toxicologia da UnB, em cooperação com o RIVM (National Institute for Public Health and the Environment) na Holanda, avaliaram o risco da exposição cumulativa aos pesticidas das classes dos organofosforados, carbamatos, piretróides, triazóis e ditiocarbamatos presentes na dieta da população brasileira (Caldas et al., 2006a; Caldas et al., 2006b; Jardim et al., 2014a; Jardim et al., 2014b). Os resultados mostraram que a probabilidade da ingestão aguda (pelo consumo de alimentos no período de 24 h) de organofosforados e carbamatos represente um risco para a saúde é de até 0,01%, principalmente pelo consumo de arroz, laranja e goiaba. Esta situação ocorre quando há um grande consumo de alimento contendo alta concentração de resíduos. A exposição aguda aos piretróides e a exposição crônica (durante toda a vida) às demais classes investigadas não indicou um risco para a saúde do consumidor de alimentos no Brasil. 

Apesar de frutas, legumes e verduras serem os alimentos que mais apresentam resíduos de pesticidas, é importante ressaltar que os benefícios do consumo desses alimentos são maiores que os eventuais riscos causados pela ingestão de pesticidas. Frutas, legumes e verdurass são ricos em vitaminas e sais minerais essenciais para o correto funcionamento do organismo, e seu consumo diminui o risco do desenvolvimento de várias doenças, inclusive o câncer (WCRF & AIRC, 2007).

 

Referências

ANDEF(Associação Nacional de Defesa Vegetal). Tecnologia em primeiro lugar. Defesa Vegetal, Maio de 2009.

ANVISA(Agência Nacional de Vigilância Sanitária). Monografia de Agrotóxicos, 2014. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/wps/content/Anvisa+Portal/Anvisa/Inicio/Agrotoxicos+e+Toxicologia.

Belpoggi F, Soffritti M, Guarino M, Lambertini L, Cevolani D, Maltoni C. Results of Long-Term Experimental Studies on the Carcinogenicity of Ethylene-bis-Dithiocarbamate (Mancozeb) in Rats. Ann. N.Y. Acad. Sci. 2002; 982: 123–136.

Caldas, E, Tressou, J, Boon, P. Dietary exposure of Brazilian consumers to dithiocarbamate pesticides. A probabilistic approach. Food and Chemical Toxicology, 2006a; 44:1562 - 1571,

Caldas, E, Boon, P, Tressou, J. Probabilistic assessment of the cumulative acute exposure to organophosphorus and carbamate insecticides in the Brazilian diet. Toxicology. 2006b, 222: 132 - 142.

Ecobichon, DJ. Toxic effects of pesticides. In: Amdur, M. O. &Klaassen C.D., editors. Casarett and Doll’s toxicology: the basis of poisons. 6° Edição. New York: Mc Graw Hill; 2001

EFSA (European Food Safety Authority). Scientific opinion on risk assessment for a selected group of pesticides from the triazole group to test possible methodologies to assess cumulative effects from exposure through food from these pesticides on human health. EFSA Journal 2009; 7 (9); 1167

Jardim ANO, Caldas ED. Brazilian monitoring programs for pesticide residues in food - Results from 2001 to 2010. Food Control. 2012; 25: 607-616.

Jardim ANO, Boom P, Caldas ED. Cumulative acute dietary exposure of the Brazilian population to organophosphorus, pyrethroids and triazole pesticides. 2014a, não publicados.

Jardim ANO, Boom P, Caldas ED. Estimation of cumulative chronic dietary exposure of the Brazilian population to dithiocarbamate and triazole pesticides using the MCRA probabilistic model.  2014b, não publicados.

Soderlund DM, Clark JM, Sheets PP, Mullin LS, Piccirillo VJ, Sargent D, Stevens JT, Weiner ML. Mechanisms of pyrethroid neurotoxicity: implications for cumulative risk assessment. Toxicology. 2002; 171: 03–59.

   World Cancer Research Fund (WCRF) and American Institute for Cancer Research (AICR) . Food,nutrition, physical activity, and the prevention of cancer: a global               perspective. Washington, DC: World Cancer Research Fund and American Institute for Cancer Research; 2007. 537p

   

Comentários

Nome:
Cidade:
Estado:
Texto:
Cód. Validação: 9738


Universidade de Brasília - Faculdade de Ciências da Saúde - Curso de Ciências Farmacêuticas
Campus Universitário Darcy Ribeiro , Asa Norte - Brasília - DF - 70910-900. Tel/Fax: (61) 3107.1871
E-mail: labtox@unb.br