Toxicologias - O seu suplemento tem DMAA?
28/10/2016 - O seu suplemento tem DMAA?

Diana Brito da Justa Neves, Farmacêutica, mestre em Ciências da Saúde, aluna de doutorado em Ciências Farmacêuticas

A 1,3-dimetilamilamina (DMAA) é uma amina alifática, estruturalmente semelhante às anfetaminas. A DMAA é um estimulante do sistema nervoso central, possuindo também ação vasoconstritora, broncodilatadora e hiperpressora. Em 1944 a DMAA foi patenteada para uso como descongestionante nasal, em uma época onde outros descongestionantes, como a anfetamina, estavam sendo usados abusivamente pelas suas propriedades psicoativas. Ela foi usada com esse propósito até a década de 80, quando foi retirada do mercado.

A partir de 2005 a DMAA passou a ser empregada em suplementos dietéticos com o objetivo de estimular o emagrecimento e melhorar o desempenho atlético. Muitos dos produtos contendo DMAA ganharam notoriedade, tais como o Jack3d®, OxyElite Pro®, Lipo 6 Black® e Hemo Rage®, todos de origem norte americana. Em alguns países, como a Nova Zelândia, a DMAA estava sendo usada também como droga de abuso, como um substituto “legal” à 3,4-metilenodioximetanfetamina (Ecstasy) e à 1-benzilpiperazina.

A DMAA pode provocar uma série de efeitos adversos, como agitação, náuseas, cefaleia e um grande aumento da pressão arterial. Relatos de casos associam o consumo de DMAA, tanto como droga de abuso quanto através de suplementos alimentares, a casos de hemorragia cerebral, acidente vascular cerebral e morte.

Com base em todos os episódios de efeitos deletérios associados à DMAA, e no fato de que as empresas fabricantes dos suplementos alimentares contendo DMAA não comprovaram a segurança da substância, o governo americano, através da Administração de Alimentos e Fármacos (Food and Drug Administration, FDA), emitiu em 27/01/2012 cartas de alerta para dez fabricantes de suplementos alimentares, solicitando esclarecimentos quanto à segurança e origem da DMAA presente em seus produtos. Como consequência, muitas empresas estão retirando a DMAA de suas formulações. football news

No Brasil, a DMAA foi considerada uma substância proscrita, capaz de causar dependência física e/ou psíquica, e foi relacionada como tal na Lista F – Lista das Substâncias Proscritas, sublista F2 – Substâncias Psicotrópicas, da Resolução da Diretoria Colegiada nº 39/2012 – ANVISA, que atualizou a Portaria nº 344/98 – SVS/MS. Isso significa que, a partir da data de publicação dessa Resolução, 09/07/2012, é proibida a produção, fabricação, importação, exportação, comércio e uso de produtos contendo essa substância.

Referências

Vorce, S.P. e outros em Dimethylamylmine: A Drug Causing Positive Immunoassay Results for Amphetamines, Journal of Analytical Toxicology, 35, 2011, 183–187

Gee, P. e outros em Use of Recreational Drug 1,3-Dimethylamylamine (DMAA) Associated With Cerebral Hemorrhage, Annals of Emergency Medicine, 60 (4), 2012, 431-434.

Thevis, M. e outros em Stimulants and Doping in Sport,  Endocrinology Metabolism Clinics of North America, 39, 2010, 89-105

Eliason, M.J. e outros em Case Reports: Death of Active Duty Soldiers Following Ingestion of Dietary Supplements Containing 1,3-Dimethylamylamine (DMAA), military Medicine, 177, 2012, p. 1455-1459

   

Comentários

Nome:
Cidade:
Estado:
Texto:
Cód. Validação: 35983


istanbul escort
Universidade de Brasília - Faculdade de Ciências da Saúde - Curso de Ciências Farmacêuticas
Campus Universitário Darcy Ribeiro , Asa Norte - Brasília - DF - 70910-900. Tel/Fax: (61) 3107.1871
E-mail: labtox@unb.br